Índia pede para prorrogar negociação climática para 2010

 A Índia pediu para prorrogar a negociação sobre mudança climática e o aquecimento global para 2010. O tema é discutido na conferência de Copenhague, na Dinamarca, há duas semanas. Esta sexta-feira (18) é o último dia das reuniões, em que líderes mundiais estão presentes. Cúpula do clima naufraga; ouça correspondente Obama pede união e diz que não há tempo a perder Frustrado, Lula promete dinheiro para fundo climático O primeiro-ministro indiano, Manmohan Singh, disse que o tempo restante é insuficiente para se chegar a um acordo e pediu que a negociação sobre o clima continue em 2010. “O resultado [em Copenhague] pode estar abaixo de nossas expectativas”, afirmou Singh, ao pedir “negociações posteriores para elaborar uma resposta realmente global e genuinamente cooperativa para a mudança climática, que seja concluída em 2010”. Declaração política A 15ª Conferência da Mudança do Clima da ONU (COP-15) acaba sem acordo entre países ricos e emergentes. Líderes optam por fazer apenas uma declaração política, segundo fontes ouvidas pela Folha. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que há dois dias tenta mediar com o francês Nicolas Sarkozy uma saída do impasse, declarou-se “frustrado” em sessão plenária com líderes mundiais, em discurso antes da declaração final. Na plateia estão Barack Obama, Gordon Brown, Wen Jiabao, Angela Merkel e outros. Lula fez também uma oferta de doação para um fundo global de combate à mudança climática, como antecipado pela Folha na última quarta-feira. O secretariado da ONU responsável pela convenção do clima estuda convocar um novo encontro no próximo semestre, uma espécie de COP-15 “bis”. Esta, segundo fontes que tiveram acesso à proposta, deve acontecer fora das mãos da presidência dinamarquesa. A avaliação geral no Bella Center, sede do evento, é que a Dinamarca foi um redundante fracasso, dizem delegações de países emergentes e europeus ouvidas pela Folha. A crise de confiança provocada pela apresentação abrupta de uma proposta unilateral logo no início da conferência é uma das principais razões para o naufrágio da cúpula. A versão de declaração que circula pelo Bella Center, resultante de horas de reunião entre os principais líderes mundiais, não estabelece metas de corte de gases-estufa para 2020. Fala-se apenas em uma redução de 50% das emissões até 2050 e genericamente de um fundo de US$ 100 bilhões para o mesmo ano, sem dizer de onde vem o dinheiro nem como ele será usado. Em discurso duro, feito de improviso e longamente aplaudido, Lula enumerou as ações do Brasil e disse que o país estaria disposto a contribuir para um fundo se isso salvar a conferência. “Não sei, se não fizemos até agora, um anjo ou um sábio descerá e colocará na nossa cabeça a inteligência que faltou até agora”, afirmou Lula. “Todos nós poderíamos oferecer um pouco mais se tivéssemos assumido boa vontade nos últimos tempos.” O presidente também ressaltou os esforços dos países emergentes. “No Brasil tem muitos pobres, na África tem muitos pobres, na China e na Índia tem muitos pobres.” Já o americano Barack Obama, que tomou seu lugar no púlpito, criticou os países que não aceitam se submeter à verificação de suas ações –crítica velada à China. Os países desenvolvidos usam esse argumento para justificarem sua inação. Minutos antes, Lula havia reclamado da “intrusão nos países em desenvolvimento e países pobres”.

~ por leriostyle em dezembro 18, 2009.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: